sábado, 21 de fevereiro de 2015

Pequenas coisas sobre a arte

A arte me toma de um jeito que não sei explicar
Minha vida, meus sonhos, meu caminhar
Quando percebo-me, tomado estou
Longe de mim e tão perto quanto vou
E mesmo que tal lonjura faça perder-me
A arte perfaz seu caminho ao deter-me
Enquanto ela existir em meu ser, serei eu
Porquanto sua nulidade perecerei no esquecimento do breu.

(Sérgio Carlos)

Diário de uma prostituta

Vivi nos mais altos montes da Terra
Retirei a mais bela pétala da flor dos jardins causídicos
Vituperei o nobre e seu mais tenro amor por mim
Causei ilusão nos sonhos do homem
Caminhei sobre a casca viçosa do ser
Saltei inúmeras épocas quando não deveria
Vivenciei a dormência das mulheres, sem me importar
Ignorei a liturgia, como se ignora um copo de água
Chorei de ódio e vergonha, mesmo cega
E então cansei de coisas passadas, do vinho e brilho dourado
Avançarei como uma verdade só
Aquela que ainda não alcancei, mas que, jamais será aquilo que provoquei.

(Sérgio Carlos)

Me apaixonei

Me apaixonei pelo mundo das ideias e nasci, nunca mais saindo dele nem quando morrer.
Me apaixonei pela música e cantei, até não poder mais e depois descansar e cantar novamente.
Me apaixonei pela dor e resisti, quando ninguém mais conseguira eu sofri e mantive-me de pé para doer mais um pouco.
Me apaixonei pelo teatro e guardei tudo aquilo que sou no mundo, para que muitos conheçam-me melhor do que outrora fui.
Me apaixonei pela vida, quando esta, mesmo tirando de mim, meu mais precioso amor, me permite respirar e seguir em frente.
Me apaixonei pelas palavras, pois estas formatam o mundo e dele nos projetamos em nós, para nos outros, encontrarmo-nos.
Me apaixonei pela imagem e de tudo me faço pronto e capaz, para que o todo possa ver-me enquanto o observo.

(Sérgio Carlos)

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Somos um

Tola ironia achar que tudo sabia do amor
Pensavas tanto em sua chegada que me perdia no tempo
Traçava planos para quando estivesses comigo, olhássemos o sol.
Tola ironia culpar minhas paixões,meus anseios...
Oh! Pobres das virtudes do homem ao descobrir a dor...
O calor...o sofreguidão...
Assim, se fez destino presente em mim
Trouxe-me a caridade sublime
Ensinou-me a olhar com beleza o espírito
Você se fez amor onde nunca esperaria
Que tolo achar que sabia amar
Pois o amor não se faz verbo
Não há ação no encontrar
Me faz sentir o que minha boca não consegue expressar
Me faz sorrir e chorar sem motivo algum
Onde um dia entenderei da vida o dançar
Pois tenho certeza que desafiando as leis
Somos um.


(Sérgio Carlos)

sábado, 7 de fevereiro de 2015

POEMA SEM NOME


Silêncio ecoa no fundo do peito
Traçando a cacofonia de impulsos no leito
Onde a brisa forte não possui sentido algum
Nem na restante força existe breu
Aconteça vida, oriunda de meu ser
Aconteça morte e me deixe viver
Nada.Fato pro cair e ceder
Enquanto uns bebem
A outros só resta o querer
Falar sem ter ouvidos, com tamanho esforço
Não haverá mal algum, somente o desgosto
Na vida, o que se leva vivo e tanto
É a força liberta, a tristeza encoberta
E o profundo desencanto



(Sérgio Carlos)

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Leve

E quando cheguei não sabia nada
Quando plantei, não achei que colheria nada
E quando corri, não achei que cairia na estrada
Por sorte vivenciei, o choro em mim deságua
Enquanto senil, atento ao fim da morada
Portanto jovial, à chegada da manada
Entretanto não cansei, não esqueci a data

Dos vislumbres que tive
Da sorte que me brindou
Da vida que se abundou 
Sempre em mim e eternamente
Tendo em mim, latente
O véu dos negrumes silentes
Nunca hão de entumecer-me
Serei leve
Sempre leve

(Sérgio Carlos)

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Vagante

Vaga fria vagante, serena e de tanto vagar
Estavas nua e de tanto cantar, estavas crua e nua novamente.
Corredeira fria de dentro de mim, estejas dentro de mim
Para que o mais puro aqui se torne forte e frio, eterno.
Enquanto choro as águas que exprimem minha dor
Exponho a nascente do meu coração
Para que meus olhinhos brilhem furta-cor
E não seja mais nada
A não ser o que vive dentro de mim
Que se retorce a cada itinerário
Procurando centavo a centavo o valor
Crítico valor moral, que se exprime em absoluta verdade

Quem o torna é.
(Sérgio Carlos)

A luta

E o desejo me consome, me come, desonre.
Assim não haverá despesa, que seja, tristeza.
Onde tudo fora vítima, e a filha, indigna.
Caifás demorará a acordar, letreiros respondem no ar.
Onde a fé remonta cachinhos, e o vento os leva em moinhos.
Que o desejo da vida rotunda, singela, mas fria como bruma.
Não nos exaspere malícia, contida nos altos, milícias.
Mas antes que lhe digo, ambíguo, sejas menino.
Sejas beleza, vereda, que te leve à mesa.
Caminho sempre percurso, pelúcio, discurso

Variando as cadeias do falar, lutando contra o estar.
(Sérgio Carlos)

sábado, 19 de julho de 2014

Palavras ácidas jamais farão um pecador recuar. APENAS O AMOR nos torna dispostos a mudar, apenas o amor nos dá o gosto sagrado de descobrir onde termina o ponto de luz que se encontra num abraço! Apenas o amor cura dores de cabeça latejantes, apenas o amor estabelece a disciplina de maneira saudável, apenas o amor nos coloca de joelhos diante de Deus. Apenas o amor nos torna doces diante do amargor do sofrimento. Se deseja tanto assim não ter mais que comentar as quedas que assiste sorrindo, AME mais, disponha-se a levantar o irmão que cai, em lugar de lançar veneno no teu bater de palmas. O espetáculo não é a parte do show que vc assiste mastigando esse chiclete já tão sem gosto da crucificação do outro. O espetáculo é quando você decide ser menos medíocre e aceita ser filho de DEUS.
Lívia Pereira.

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Papel

E de tudo viro papel
Daqueles sujos que se escrevem bem devagar pra caber
Rasgando-me por entre os fios só por destacar-me entre os demais
Com tantas dobraduras guardando segredos e sinais de amor
Pintado de variadas cores que me embelezam...

E a cada linha fria e levemente azulada ou escura
Existo nos tremores das mãos
Persisto, mantendo-me firme ante aos pingos salgados da boca
E no final da usura, guardo-me
Mantendo a mais nobre história e o mais lindo aprendizado do ser.